02/01/10

BEBIDO O LUAR

.



.


Bebido o luar, ébrios de horizontes,
Julgamos que viver era abraçar
O rumor dos pinhais, o azul dos montes
E todos os jardins verdes do mar.

Mas solitários somos e passamos,
Não são nossos os frutos nem as flores,
O céu e o mar apagam-se exteriores
E tornam-se os fantasmas que sonhamos.

Por que jardins que nós não colheremos,
Límpidos nas auroras a nascer,
Por que o céu e o mar se não seremos
Nunca os deuses capazes de os viver.


Sophia de Mello Breyner Andresen



_F. Schubert
Impromptu - Op. 90, nº2
Piano - Krystian Zimerman


Fotografia - TINTA AZUL. Agosto.09
Música - YouTube.Sissco

1 comentário:

um Ar de disse...

... Desapego...

Trágico, de lindo, que é este poema!
.
[Beijo, assim...@]