12/07/07

TANTAS SAUDADES

.
Hoje as saudades, de todos os dias, acentuaram-se. Faz um ano que nos deixou. Não era minha mãe, mas agia como se fosse. Era minha sogra, mas detestava essa palavra e dizia sempre que era a Mãe do meu marido e que eu era a filha mais velha.

Lamento não ter tido tempo de me despedir, de lhe dizer, sobretudo, o quanto gostava dela. Mas tenho, dentro de mim, a certeza que sabe o quanto gostava. Lembro-me de ela dizer que não sentiríamos a sua falta, mas sei que isso era só para que dissessemos que sim, porque sei que sabe exactamente a enorme falta que nos faz, a todos, e a todos os níveis.
Uma pessoa afectivamente espaçosa deixa vazio um enorme espaço. Embora a guardemos na memória e no coração, faz-nos muita falta a sua presença física. A sua alegria, o seu afecto o seu disparate que tão bem combinava comigo.
Faz-me falta, também, para me ouvir contar as minhas coisas, das viagens, do que comia, sobretudo as sobremesas, gulosa como ela era... Contar dos meus amigos, a quem falo regularmente dela e dos que fazia de novo, dizendo-me sempre para os convidar para passar um fim-de-semana, ou para um almoço no Carreço. Estava sempre disponível para isso.
Sei que gostaria de saber que me sinto bem com a vida e que ultimamente tenho tido muitos momentos bons, apesar das muitas saudades e apesar de tudo que só ela sabe.
Recordo-a com um vestido solto de verão em tons de verde água, rosa e lilás....com as tintas e as pinturas....há muitos anos atrás.
Recordo um colo que, também, foi meu e que muitas vezes me aconchegou. Sei que muitas vezes também eu a aconcheguei, o que me faz sentir bem.
Entre as muitas outras coisas de que gostava na vida, as plantas e as flores estavam incluídas. Tenho a certeza que teria gostado desta pimenteira cheia de cores, que lhe trouxe na máquina fotográfica, há uns tempos atrás, do mercado do Funchal.

Fotografia - TINTA AZUL. Junho 2007.

3 comentários:

Um Ar De... disse...

E outro beijo solidário, também, para ti... Sim?

ELSON TEIXEIRA CARDOSO disse...

Saudade, então, o que é?
É tristeza alegre e suavidade,
A certeza de que há felicidade,
A beleza que remete à divindade.

Saudade, então, o que é?
É lembrar-se e rejubilar-se,
É lembrar-se e animar-se,
É chorar, mas encher-se de fé.

GP disse...

Deve ser bom sentir saudades assim... Eu gostava...

Beijinho