08/03/09

MULHERES CORRENDO, CORRENDO PELA NOITE

.


















Desenho de
Jorge Martins




MULHERES CORRENDO, CORRENDO PELA NOITE

Mulheres correndo, correndo pela noite.
O som de mulheres correndo, lembradas, correndo
como éguas abertas, como sonoras
corredores magnólias.
Mulheres pela noite dentro levando nas patas
grandiosos lenços brancos.
Correndo com lenços muito vivos nas patas
pela noite dentro.
Lenços vivos com suas patas abertas
como magnólias
correndo, lembradas, patas pela noite
viva. Levando, lembrando, correndo.

É o som delas batendo como estrelas
nas portas. O céu por cima, as crinas negras
batendo: é o som delas. Lembradas,
correndo. Estrelas. Eu ouçco: passam, lembrando.
As grandiosas patas brancas abertas no som,
à porta, com o céu lembrando.
Crinas correndo pela noite, lenços vivos
batendo como magnólias levadas pela noite,
abertas, correndo, lembrando.

De repente, as letras. O rosto sufocado como
se fosse abril num canto da noite.
O rosto no meio das letras, sufocado a um canto,
de repente.
Mulheres correndo, de porta em porta, com lenços
sufocados, lembrando letras, evando
lenços, letras - nas patas
negras, grandiosamente abertas.
Como se fosse abril, sufocadas no meio.
Era o som delas, como se fosse abril a um canto
da noite, lembrando.

Ouço: são elas que partem. E levam
o sangue cheio de letras, as patas floridas
sobre a cabeça, correndo, pensando.
Atiram-se para a noite com o sonho terrível
de um lenço vivo.
E vão batendo com as estrelas nas portas. E sobre
a cabeça branca, as patas lembrando
pela noite dentro.
O rosto sufocado, o som abrindo, muito
lembrado. E a cabeça correndo, e eu ouço:
são elas que partem, pensando.

Então acordo de dentro e, lembrando, fico
de lado. E ouço correr, levando
grandiosos lenços contra a noite com estrelas
batendo nas patas
como magnólias pensando, abertas, correndo.
Ouço de lado: é o som. São elas, lembrando
de lado, com as patas
no meio das letras, o rosto sufocado
correndo pelas portas grandiosas, as crinas
brancas batendo. E eu ouço: é o som delas
com as patas negras, com as magnólias negras
contra a noite.

Correndo, lembrando, batendo.


HERBERTO HELDER
in Antologia Pessoal da Poesia Portuguesa
de Eugénio de Andrade
Editora Campo das Letras, 1999



_ Janis Joplin

A Woman Left Lonely


Imagem - Desenho, digitalizado, da autoria de Jorge Martins, do livro OS SONETOS DE SHAKESPEARE. Tradução de Vasco Graça Moura. Bertand Editora. Lisboa 2007.
Música - YouTube

7 comentários:

um Ar de disse...

O desenho é do Jorge Martins que eu estou a pensar?
Gosto.
Outros tempos... em que fomos mais felizes, creio.
.
[Beijo...@]

Tinta Azul disse...

Querida um Ar de
Não é desse Jorge Martins.
É de outro.
Mas ss tempos em que fomos mais felizes, esses sim, foram esses mesmo.
Beijo

Justine disse...

De cortar a respiração.
Correndo.
Lembrando, sempre. Porque é preciso.
Beijo

mdsol disse...

OLha que te esmeraste!
:))

Skywalker disse...

Até fiquei sem folego...

Tens mimo no meu blog.

Beijokas

heretico disse...

oiço-as. "Calçada de Carriche" acima...

altivas. com "magnólias negras". nas patas. contra a noite.

beijo, Mulher!

Duarte disse...

Bonito. Grandioso. Gosto.

Mas tudo, uma trilogia perfeita!

:)))))

Reconhecido, deixo-te um chi-coração