17/06/09

OLHAR DE SEDA

.

























A seda
do teu,
efémero,
vestido
vermelho
amacia
a sede
do meu,
persistente,
olhar
castanho.




_F. Mendelssohn
Canções sem palavras
[ op 30 nºs 1-3]
Piano - Daniel Barenboim


Fotografia - TINTA AZUL. 10.06.09
Música - YouTube.FranzFerencLiszt

6 comentários:

João Menéres disse...

Um passo de dança que não passou despercebido pela poesia nele contida.

Beijo no silêncio da noite.

Zef disse...

Vermelho desfraldado
com desajeitada graça
no alto do verde pé,
frágil, esguio...

Conceição Duarte disse...

Muito interessante o vermelho e o castanho...
bj con

~pi disse...

apenas

sopro

beleza

efemeridade,



beijo



~

Graça Pimentel disse...

Uma flor que adoro, uma fotografia magnífica neste blog de uma Amiga Linda...

Beijinho

Duarte disse...

Ambos olhares conseguem ser belos...

Papoilas vermelhas
Entre verdes trigais
Corados por sol de estio,
Ventos ondulantes
Que atiçam...
Inchando velas
De campos silvestres;
Lenços que cobrem a seara;
Chapéus até às orelhas;
Pinheiros de copa baixa,
Poucas casas, menos gente;
Fumarada, chão ardente.

Abraços