08/02/09

POEMA DO HOMEM SÓ

.
























Sós,
irremediavelmente sós,
como um astro perdido que arrefece.
Todos passam por nós,
e ninguém nos conhece.

Os que passam e os que ficam.
Todos se desconhecem.
Os astros nada explicam:
arrefecem

Nesta envolvente solidão compacta,
quer se grite ou não se grite,
nenhum dar-se de dentro se refracta,
nenhum ser nós se transmite.

Quem sente o meu sentimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem sofre o meu sofrimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem estremece este meu estremecimento
sou eu só, e mais ninguém.

Dão-se os lábios, dão-se os braços
dão-se os olhos, dão-se os dedos,
bocetas de mil segredos
dão-se em pasmados compassos;
dão-se as noites, dão-se os dias,
dão-se aflitivas esmolas,
abrem-se e dão-se as corolas
breves das carnes macias;
dão-se os nervos, dá-se a vida,
dá-se o sangue gota a gota,
como uma braçada rota
dá-se tudo e nada fica.

Mas este íntimo secreto
que no silêncio concreto,
este oferecer-se de dentro
num esgotamento completo,
este ser-se sem disfarce,
virgem de mal e de bem,
este dar-se, este entregar-se,
descobrir-se e desflorar-se,
é nosso, de mais ninguém."

António Gedeão,
in Teatro do Mundo

[mas, há quem consiga aproximar-se bastante do que é
e de como é, dentro de nós.]



_Manel Cruz
Ninguém é quem queria ser


Fotografia - TINTA AZUL. 15.01.09

7 comentários:

cristal disse...

Que belo "casamento" tu me arranjaste neste post. Gostei mesmo

Justine disse...

Grande e forte e belo como a árvore, este poeta Gedeão!

um Ar de disse...

Só agora, percebi que perdi uma data importante... Não tenho tido tempo [nem vontade], para sair dos programas que utilizo para a escola e das contas que criei para os alunos...
Desculpa, querida amiga.
Entrei neste post, de poesia triste e sinto-me mais culpada, ainda.
.
[Beijo...@]

Duarte disse...

Não conhecia e gostei muito.
A fotografia é a adequada ao texto. Uma árvore assim merecia um texto à altura.

Beijinhos

heretico disse...

"este ser-se sem disfarce,
virgem de mal e de bem..."

assim ardem os poetas.

beijo

Graça Pimentel disse...

Há mesmo coincidências. Estive, há pouco, à procura do meu livro do Gedeão, que encontrei no sítio mas deitadinho...
Soube-me tão bem ler um dos meus homens aqui. Obrigada.

Bj

Mariza Lima disse...

gOSTEI MUITO DESSE POEMA...A GENTE É Q SABE A DOR QUE CARREGA ...RSRSRS