06/07/08

ANJO

.

Poema de Paulo Pais
in Gravador de Chamadas - Campo das Letras Editores, 1997

Imagem - Fotografia de Desenho a Pastel de MNN, 1992.



Adágio em sol menor de Albinoni, de Remo Giazotto [1910-1998]

10 comentários:

mdsol disse...

Que coisa! Queres que me debulhe?
:)

GP disse...

Este Paulo Pais é o que eu conheço?

Beijinho

O natural de Barrô disse...

Lindooooo!!!!

Juani lopes disse...

muy bonito, tanto el texto como la fotografia
saluditos

mdsol disse...

engraçado é a "utilização" da música. Esta coloquei-a num dia em que tive uma notícia má. Para me aconchegar! Bem, no fundo no fundo, é de aconchego que se trata!
:)

~pi disse...

do alto desta esperança

me reste


[ verde

mente





~

um Ar de disse...

Então?
Está decidida a escolha?
Lisboa...
.
Não fiques triste, se assim é.
"É filha de pássaro transparente..." e voa!...
.
[Beijo de, afinal, não sei nada bem o que isso é!...]

Justine disse...

Tudo se harmoniza: a imagem, as palavas, a música. E permanece uma serenidade boa...

heretico disse...

muito belo(s). os corpos(de anjo?)em desacerto. e cabelos em desalinho...

Tinta Azul disse...

mdsol,
não te "debulhes" embora eu ande a ficar "debulhada"...
gp,
É o Paulo que tu conheces sim. A dedicatória que me fez no livro é muito engraçada, porque o que escreveu tem mesmo a ver comigo.
um ar de,
se tudo correr bem será Lisboa mesmo. Não estou triste...estou, já, com saudades o vazio da casa...

natural de barrô,
juani,
~pi
justine
herético,
são anjos senhores, são anjos.
beijos a todos