04/11/07

DO FRENESIM À CALMARIA

.














































































As cadeiras foram empilhadas. Nesta praia, já não há esplanada.
O parque de estacionamento relvado, está quase vazio.
Os chuveiros sem nenhum corpo por baixo a livrar-se da areia e do sal.
O areal apresenta a textura que o vento lhe dá, como se fosse um pequeno deserto. Poucas pégadas.
Acabou o frenesim. É tempo de descanso da praia.
Mas, ainda se vêem pessoas a passear na areia, a apanhar mexilhões na maré vaza, a pescar. Pessoas sentadas na areia ou nos degraus de madeira dos passadiços de acesso à praia, a olhar o horizonte, quase ofuscados pelos brilhos do Sol e do mar.
Outras, brincam aos gigantes com as suas sombras.
Outras, ainda, que fazem tudo isto.
Serão estas as que são verdadeiramente amadas pelo mar?

Fotografias - TINTA AZUL. Praia de Carreço, 3.10.07.

2 comentários:

Um Ar De... disse...

Esse lugar é lindo em qualquer altura, em qualquer tempo... indiscutível, não é?
Bj

Tinta_Azul disse...

É. Já tinha tantas saudades de fruir estes lugares deste lugar que me fazem tão bem.
Fico muito contente que a inauguração da exposição tenha corrido bem. É claro que não vou faltar.
Bj