27/02/08

A[NA]LISAR

.



Alisam.
Analisam.
E, às vezes, não chegam a perceber um caracol!



Imagem - Fotografias. Recortes justapostos.
TINTA AZUL. Fev. 08

4 comentários:

um Ar de disse...

Essa foi obra!...

Felizmente, para mim, o meu é liso sem ser preciso alisar...

Felizmente, para ti, o teu é um festival de caracóis, sem teres que o encaracolar...

Que tempo se poupa!..........
Que inteligência se ganha.........

:)

[Beijo sardónico]

livia soares disse...

Muito interessante.
Eu sempre acho uma grande estupidez essa uniformidade que os
padrões de beleza impõem.
Meu cabelo fica exatamente no meio do caminho: nem tão liso como aquele de chapinha, nem tampouco chega a fazer cachos. Meu pai é um mulato de cabelos (quando os tinha) enroladinhos; minha mãe, branca de cabelo bem liso. Aqui no Brasil quase todo mundo é assim, somos o resultado imprevisível de um estonteante caldeirão étnico. Por isso, talvez, eu prefiro a beleza que há na diversidade... será? Adorei a postagem, fala de uma coisa que eu vivo dizendo em conversas com os amigos: como somos belos quando não estamos tão preocupados em seguir padrões!
Gostei muito das outras postagens também, especialmente do poema de Miguel Torga.
Um abraço.

tufa tau disse...

o meu fica entre um e outro...

Tinta Azul disse...

O meu é/são ambos :)