27/06/08

ENTRE VIZINHOS [MONTEMURO E MARÃO]

.



Ó Marão, tu não olhes, altaneiro,
Cá para o Montemuro, teu igual!
Se tu és, também sou feliz canteiro,
Do jardim que se chama Portugal.

Lamego me bafeja, do Nascente;
Resende, pelo Norte, me dá cor;
Castro Daire e Cinfães, cordialmente,
Me encimam com requintes de esplendor.

Do Douro me levanto e vou ao Paiva,
A subir, a descer, franco, atraente,
Com o nobre sorrir da minha gente.

Dá-me um beijo, Marão, não tenhas raiva
De eu ser, como se vê a olho nu,
Tão rico, honrado e belo como tu!

Acácio de Almeida [no ano em que eu nasci, 1963]
in Canto do Montemuro. 1992


Imagens - Fotografias. TINTA AZUL. 22.06.08

11 comentários:

mdsol disse...

pois
:)

O natural de Barrô disse...

Nascemos no mesmo ano. Eu, no sopé destes montes que ajudaram a povoar a minha imaginação de lendas.

Tinta Azul disse...

No dia em que nasci estes montes montes estavam pintados de branco cor de neve, segundo me contam.
Também se diz por aí que o ano de 1963 foi de boa colheita :)))

mariam disse...

estas paisagens..."das terras altas"... no alto da Serra de Bornes, pedi para ficar Sozinha por minutos e contemplei um dos cenários mais soberbos, do pouco que conheço do mundo,,, de cortar a respiração... a sequências das serras ao entardecer...
agora tem lá a Estalagem da Srª das Neves... é de ir...

um sorriso :)

Justine disse...

Encantador, o nosso país. Assim, na paisagem, vista pela artista :))

heretico disse...

p´ra cá do Marão ainda mandam os que lá estão?... duvido! rss

belas pontes entre duas serras!...

Anónimo disse...

Em 1963,habitava eu essa serras bem lá no alto.Connheço bem a beleza dessa serra.Os Invernos rigorosos ,mas cheios de flores.Flores?Sim flores.E a Primavera-quando a montanha se cobria de amarelo!Eram os narcisos bravos,que eu apanhava aos molhos e com eles enfeitava a minha casa.Que saudades!


Um molho de flores do monte
da vadia

Tinta Azul disse...

vadia,

O Marão ou o Montemuro?

Bem haja pelas flores do monte.
:)

~pi disse...

que tão bem conheço...

aqui :)






~

Anónimo disse...

MARÃO.Em 1963 houve um nevão que nos isolou uma semana,por isso eu não aprecio a neve.Gosta da cor,dos sons,dos cheiros.Tive o privilégio de comtemplar esta natureza.Ainda hoje não sei arranjar uma jarra com poucas flores.Como era só apanhar gosto de grandes arranjos e variados e quando não há flores há verdes.Como eu me lembro dos grandes arranjos de ramos de castanheiros que cobriam uma parede porque não havia movéis e havia que impressionar quem me visitava.Segurava os ramos com alfinetes,fios, o que tinha à mão.

vadia

Tinta Azul disse...

No dia em que nasci, segundo me contam, estava uma grande camada de neve.
:)