07/09/08

CAMINHO II e III - CAMILO PESSANHA



Caminho II

Encontraste-me um dia no caminho
Em procura de quê, nem eu o sei.
- Bom dia, companheiro - te saudei,
Que a jornada é maior indo sozinho.

É longe, é muito longe, há muito espinho!
Paraste a repousar, eu descansei...
Na venda em que poisaste, onde poisei,
Bebemos cada um do mesmo vinho.

É no monte escabroso, solitário.
Corta os pés como a rocha dum calvário,
E queima como a areia!... Foi no entanto

Que chorámos a dor de cada um...
E o vinho em que choraste era comum:
Tivemos que beber do mesmo pranto.

Caminho III

Fez-nos bem, muito bem, esta demora:
Enrijou a coragem fatigada...
Eis os nossos bordões da caminhada,
Vai já rompendo o sol: vamos embora.

Este vinho, mais virgem do que a aurora,
Tão virgem não o temos na jornada...
Enchamos as cabaças: pela estrada,
Daqui inda este néctar avigora!...

Cada um por seu lado!... Eu vou sozinho,
Eu quero arrostar só todo o caminho,
Eu posso resistir à grande calma!...

Deixai-me chorar mais e beber mais,
Perseguir doidamente os meus ideais,
E ter fé e sonhar - encher a alma.

Camilo Pessanha [nasceu faz hoje 141 anos]

Fotografia, TINTA AZUL, 05.08.08

4 comentários:

Duarte disse...

No Parque dos Poetas, de Paço de Arcos, também o podemos ver. É o meu último post.

Poema denso, mas autentico.

Reconhecido

Beijos

heretico disse...

bebo da mesma taça. gosto desse vinho...

..."E ter fé e sonhar - encher a alma". belo

Anónimo disse...

Ter fé ,para encher a alma é o que preciso neste momento,porque sonhar não me apetece.Apesar de tudo voltei a estes lugares que trago no coração.


vadia

Graça Pimentel disse...

Só tive tempo de ler os poemas na diagonal. Prometo vir com calma.

Bj