17/09/08

LIBERTAÇÃO - JOSÉ RÉGIO

.

Libertação

Menino doido, olhei em roda, e vi-me
Fechado e só na grande sala escura.
(Abrir a porta, além de ser um crime,
Era impossível para a minha altura...)

Como passar o tempo?...E diverti-me
Desta maneira trágica e segura:
Pegando em mim, rasguei-me, abri, parti-me,
Desfiz trapos, arames, serradura...

Ah, meu menino histérico e precoce!
Tu, sim! Que tens mãos trágicas de posse,
E tens a inquietação da Descoberta!

O menino, por fim, tombou cansado;
O seu boneco aí jaz esfarelado...
E eu acho, nem sei como, a porta aberta!

José Régio [1901-1969].

No dia do 107º aniversário do seu nascimento.

Imagem - Fotografias sobrepostas. TINTA AZUL. 27.04.08

6 comentários:

Justine disse...

A "brincadeira" com as fotografias está encantadora! Voos invejáveis...

~pi disse...

des

( construção :)




~

um Ar de disse...

José Régio respondeu-te não foi?
[Beijo...]

Graça Pimentel disse...

Lindo o poema e excelente a fotografia.

(tens correio electrónico)

beijoca

Tinta Azul disse...

José Régio respondeu mesmo. Bem observado querida um ar de.
Beijos a todas. :)

António disse...

Olá!
Pois, pois José Régio! Boa foto! Gostei! Abraços! António