13/09/08

LEMBRAR NATÁLIA

.
















ANTILÓGICA

I

O esquivo rosto contrito
do pensador consequente
revela visualmente
a ontologia do grito

depois recluso e contracto
no contrato contratempo
que se faz com o abstracto
projecto de sermos gente.

Nascer é ficar aflito
depois estender a mão
pedir pão ao infinito
que é também abstracção.

O coraçao é o grito
que o pensamento repete
vem daí que a reflexão
é a aflição de quem reflecte.

Consequência não reflito.

II

Não ter a mínima ideia
por contíguos sons achar
sobre o papel o território
e ternamente o habitar.

Alterado amor
das coisas que se buscam
os ares soltando
da pátria brusca

mente a nossa
que nos é dada
pela língua cósmica
falante não falada.

III

Não mais os sons
do discursivo engasgo.
Resposta em seus dons
seja a palavra o rasgo

que à superfície traz
a luz do fundo
e o nosso modo mudo
de estar no mundo.

Das flores o canto
aves vogais
e o Amor címbalo de
sons naturais.

Natália Correia [1923 - 1993]. No dia em que fazia 85 anos.

in Poesia Completa, Lisboa, Dom Quixote, 1999.


Imagem - Fotografia. TINTA AZUL. Agosto 2008.

6 comentários:

Duarte disse...

Que grande dona Natália!!!

:)))

cristal disse...

Faz cá falta a Natália. Como poeta e como PESSOA / GENTE que também partiu muito cedo de entre nós.

mariam disse...

Olá!
bela homenagem...
obrigada!
(não me havia dado conta...)

cheguei das abençoadas férias, voltarei aqui de novo para ler os outros posts...

bom fim-de-semana
um sorriso :)

mariam

Juani lopes disse...

me gusta mucho, sobre todo
OSCURA CASTIDAD
Una oscura e inquieta castidad puso una flor para mí en el jardín más secreto
en un horizonte de gracia y claridad
intangible y próximo.
Promesa estática en la luz de la luna
de la densidad en mí corpórea
no es la culpa, es la memoria
de la primera mañana del pecado sin Eva y sin Adán.
Sólo el fruto probado
y la serpiente enroscada
en mi soledad.
saluditos

Justine disse...

A pureza e depuração da foto a contrastar com um certo "gongorismo" do poema. Mistura fina:))

heretico disse...

gosto da Natália - excessiva. carnal... e misteriosa.

como a vida. e a poesia...

bela ilustração.

beijo